17.6.10

Kobe Bryant, o coadjuvante

O Los Angeles Lakers acaba de ganhar mais um título da NBA, campeão da temporada 2009-2010.
Kobe acaba de ganhar seu quinto título, tendo talvez um dos aproveitamentos de arremessos de mais baixos de sua carreira em uma partida e, ao mesmo tempo, uma de suas apresentações mais brilhantes como jogador. Fez "apenas" 23 pontos, teve que arremessar 24 bolas de quadra para acertar 6 e errou 4 lances livres, fazendo 11 de 15. O que é realmente incrível é que ao perceber que não estava conseguindo pontuar ofensivamente, inclusive prejudicando o time ao chutar bolas demais; ele simplesmente - e este "simplesmente" é extremamente difícil de ser executado em todos os seus significados - ele simplesmente fez o que tinha que fazer. Sem inventar, pegou rebotes, passou a bola para os outros jogadores, atraiu a marcação para deixar os outros livres e era o que mais vibrava a cada ponto que o time fazia. O maior jogador do mundo soube ser coadjuvante para ser campeão e MVP.
E não foi só ele, não. O Lakers venceu porque cada um fez o que tinha que fazer. Derek Fisher mesmo machucado voltou para jogo e meteu uma bola de três genial para empatar o jogo. Artest que teve seu ponto forte na defesa durante toda temporada, hoje quando Kobe não rendia no ataque, ele assumiu o comando ofensivo e fez todas as bolas importantes. Lamar Odom batia todas as bolas para dentro do garrafão sem medo da defesa mais alta do Boston. Bynum jogou todos os jogos da série final drenando o joelho a cada duas partidas. Vujacic entrou fez dois pontos no jogo todo, os últimos dois do Lakers. Dois lances livres que não podiam ser errados no fim da peleja. Entrou, abraçou a bola, sem nem tentar passa-la para sofrer a falta. Coisa de quem tem confiança que ia meter os dois arremessos. Meteu os dois, ficou quatro segundos na quadra e saiu. E Gasol, fez de tudo, fez bola de esquerda, de direita, jogou de ala, jogou de pivô e até de amamador, levando a bola para o ataque no final do jogo.
Deu gosto ver uns caras que ganham milhões realmente emocionados, se atirando no chão, respeitando o jogo como se deve, jogando no mais tradicional ginásio de basquete do mundo como estivessem jogando na rua, dando tudo que têm, sabendo que são jogadores e não empresários de uniforme.

1 comment:

Gustavo said...

Fala Giu.
Bacana o texto.
As finais foram ótimas. Deu gosto de ver.
Cheguei a achar que o Boston ganharia, mas o Ron Artest e o Gasol não deixaram.
É ótimo ver a NBA voltar a empolgar.
Abraço grande e grato pela visita.

gustavo duarte.

p.s.: no reflexo do troféu estão os fotógrafos